Kennedy e Lincoln , Coincidências ou Conspiração ?

  • Abraham Lincoln foi eleito para o Congresso em 1846
  • John F. Kennedy foi eleito para o Congresso em 1946
  • Abraham Lincoln foi eleito presidente em 1860
  • John F. Kennedy foi eleito presidente em 1960
  • Os nomes Lincoln e Kennedy têm sete letras
  • Ambos estavam comprometidos na defesa dos direitos civis
  • As esposas de ambos perderam filhos enquanto viviam na Casa Branca
  • Ambos os presidentes foram baleados numa sexta-feira
  • O secretário particular de Lincoln chamava-se John
  • A secretária particular de Kennedy tinha Lincoln como sobrenome
  • Ambos os presidentes foram assassinados por sulistas
  • Ambos os presidentes foram sucedidos por sulistas
  • Ambos os sucessores chamavam-se Johnson
  • Andrew Johnson, que sucedeu a Lincoln, nasceu em 1808
  • Lyndon Johnson, que sucedeu a Kennedy, nasceu em 1908
  • Andrew e Lyndon tem seis letras
  • Ambos os assassinos eram conhecidos pelos seus três nomes
  • Os nomes de ambos os assassinos têm quinze letras
  • Booth saiu correndo de um teatro e foi apanhado num depósito
  • Oswald saiu correndo de um depósito e foi apanhado num teatro
  • Nem Booth nem Oswald viveram para serem julgados pelos crimes. Foram assassinados com tiros advindos de pistolas, à queima-roupa;
  • Uma semana antes de Lincoln ser morto ele estava em Maryland Monroe
  • Uma semana antes de Kennedy ser morto ele estava com Marilyn Monroe
  • Lincoln foi morto na sala Ford, do teatro Kennedy
  • Kennedy foi morto num carro Ford, modelo Lincoln
  • Ambos jogavam golfe tendo, inclusive, o mesmo handicap (a pontuação que mede a habilidade do jogador)
  • Ambos os crimes ocorreram numa sexta-feira;
  • Kennedy e Lincoln foram assassinados na presença de suas mulheres;
  • Lee Harvey Oswald, algoz de Kennedy, nasceu cento e um anos depois de Booth, o assassino de Lincoln;
  • Kennedy foi eleito Presidente um século depois de Lincoln. Lincoln em 06/11/1860 e Kennedy em 08/11/1960;
  • Seus sucessores na Presidência tinham o nome de Johnson, e as suas datas de nascimento eram separadas por exatos cem anos. Andrew Johnson (17º presidente) nasceu em 1808; Lyndon Baines Johnson (36º presidente), em 1908;
  • O automóvel em que Kennedy estava fora fabricado especificamente para ele, no exato dia de sua morte;
  • Booth, após assassinar Lincoln, fugiu do teatro em que cometera o crime em direção a um armazém, onde foi fatalmente alvejado num cerco policial. Oswald, pelo contrário, conseguiu fugir do edifício em que estava por intermédio da janela de um armazém, indo parar num teatro, antes de ser capturado pela polícia;
  • A primeira indicação pública a favor da campanha eleitoral de Lincoln à presidência surgiu numa carta publicada no “Cincinnati Gazette”, em 6 de novembro de 1858. O nome sugerido para vice na futura chapa era um secretário da Marinha, posteriormente relegado ao ostracismo, de nome John Kennedy;
  • Os seguranças de Lincoln estavam preocupados com eventuais atentados, e o preveniram disso. O Serviço Secreto, órgão responsável pela guarda de Kennedy, não se agradava da idéia de um desfile em carro aberto, e, constantemente, externava ao presidente as preocupações com atentados;
  • A placa do último carro a compor a comitiva em desfile, no fatídico dia da morte de Kennedy, tinha em sua placa a seqüência numérica “1865″, ano da morte de Lincoln;
  • Lincoln comentou com um guarda, momentos antes de ser assassinado, que existiam “homens que querem tirar minha vida. E não tenho dúvidas de que eles conseguirão. Se isso deve ser feito, é impossível evitar”;
  • Horas antes de ser atingido mortalmente pelas balas de Oswald, Kennedy disse a mulher, Jacqueline, e a Ken O’Donnell, seu assessor pessoal: “Se alguém quiser me alvejar de uma janela com um fuzil, ninguém poderá impedi-lo. Assim, por que devo me preocupar?”;
  • Ambos os assassinatos provocaram enorme comoção nacional, em meio a sentimentos de que houvera uma conspiração para matá-los, e elevaram os nomes dos presidentes à posteridade. Lincoln e Kennedy têm monumentos em sua homenagem no Capitólio, o Congresso norte-americano.

Dizem que os dois presidentes americanos foram vítimas da maldição de Tecumseh, que segundo a lenda, os presidentes eleitos a cada 20 anos morreram durante o seu mandato.

Outros presidentes americanos também morreram supostamente pela maldição, entre eles James Garfield e William McKinley.

O homen foi a lua ?

O fato ocorrido 20 de julho de 1969, a missão Apollo 11 realmente aconteceu ?

Milhares de espectadores estão com os olhos fixados na televisão. Mas aquelas imagens, que se tornaram históricas, seriam de fato verdadeiras?

O céu sem estrelas, as sombras convergentes que aparecem em algumas fotos, a bandeira tremulando num ambiente sem vento, a pegada perfeita da bota de Armstrong e a falta de uma cratera após a aterrissagem do módulo espacial são algumas das “anomalias” apontadas por Kaysing e repetidas por seus discípulos, entre eles Ralph Rene.

As imagens em preto e branco do primeiro astronauta andando na lua para muitos é mais uma superprodução hollywoodiana.

Na longametragem de ficção científica “Capricórnio Um” (1978), o cineasta Peter Hyams mostra a Nasa forjando uma missão e obrigando astronautas a serem cúmplices da farsa montada em torno de uma viagem espacial a marte .

Mas foi o programa “Conspiracy Theory: Did We Land on the Moon? (”Teoria de Conspiração: Nós Aterrissamos na Lua?”), exibido pela “Fox” em 2001, que trouxe novamente polêmica e a fez ser muito debatida em milhares de sites na internet.

Um ano depois, o documentário de ficção “Opération Lune”, produzido por William Karel, jogou mais lenha na fogueira.

Com imagens de arquivo reais tiradas de seu contexto original e misturando habilmente informações verdadeiras e falsas, Karel analisou de forma paródica a ipótese de que Nixon armou uma complexa trama para fazer o mundo acreditar que o “Apolo 11″ aterrissou na Lua.

Neste documentário, em que a viúva Stanley Kubrick dá um depoimento, dizendo que o diretor americano foi convidado por Nixon para criar a farsa do homem caminhando na superfície lunar.

O curioso é que, apesar de o fim do filme deixar claro o caráter fictício dos argumentos, muitos espectadores acabaram convencidos do contrário.

E não adiantou nada os cientistas, técnicos e interessados na história da exploração do espaço terem refutado, os “conspiradores” Ainda não acreditam que N. Armstrong e os outros 11 astronautas das missões “Apolo” colocaram os pés na Lua.